Campolide,

Notícias da noite do arraial VIP

  • _MG_4606.jpg
  • _MG_4633.jpg
  • _MG_4651.jpg
  • _MG_4699.jpg
  • _MG_4738.jpg
  • _MG_4740.jpg
  • _MG_4756.jpg
  • _MG_4764.jpg
  • _MG_4785.jpg
  • _MG_4792.jpg
  • _MG_4798.jpg
  • _MG_4802.jpg
  • _MG_4812.jpg
  • _MG_4825.jpg
  • _MG_4828.jpg
  • _MG_4845.jpg
  • _MG_4874.jpg
  • _MG_4884.jpg
  • _MG_4890.jpg
  • _MG_4894.jpg
  • _MG_4897.jpg
  • _MG_5020.jpg
  • _MG_5026.jpg
  • _MG_5041.jpg
  • _MG_5072.jpg
  • _MG_5076.jpg
  • _MG_5095.jpg
  • _MG_5112.jpg
 

Mais uma vez, a noite de ontem, sábado, foi de festa no nosso arraial Santos à Campolide. Graças a todos os Vizinhos e Vizinhas, que se nos juntaram, mas também à presença de algumas caras conhecidas que quiseram vir celebrar as festas juninas à nossa freguesia. Os preparativos para a noite começaram bem cedo, com a colocação de uma longa passadeira vermelha, por onde mais tarde desfilaram, com toda a pompa e circunstância, os nossos VIP’s. Mas se a festa foi de glamour, ela nunca deixou de ser popular.

Flávio Furtado, o padrinho da nossa marcha Bela Flor-Campolide, foi o dinamizador do evento. E a ele juntaram-se vizinhos e amigos ilustres como Eládio Clímaco, Vítor de Sousa, Mónica Sintra, Gisela, Helena Ramos... Todos juntos, partilharam uma grande mesa corrida e deliciaram-se com as sardinhas na brasa, sempre ao som de música popular e muita animação.

Um ambiente que Eládio Clímaco aprecia especialmente, como nos contou: «O mês de Junho em Lisboa é, para mim, o mais divertido e o mais mágico, é o mês do povo português. É o nosso Santo António casamenteiro, que consegue levar para os bairros populares toda a gente. Adoro a sardinha, o manjerico, a manifestação popular que são as marchas, onde, através da dança e da música, se conta a história de cada bairro. Eu sou campolinense há 10 anos, e adoro. Ainda mais neste momento em que Campolide meteu 'primeira' e vai à frente. Este ano o arraial está fabuloso, muito bonito. É um dos melhores de Lisboa, graças ao esforço de muita gente. E aqui tenho que dar uma palavra ao meu amigo André [André Couto, Presidente da JFC], que quando mete uma coisa na cabeça, consegue levar todos atrás dele. Este é o arraial mais janota de Lisboa!»

Sobre a noite VIP de ontem, Eládio Clímaco relativiza, sem desvalorizar: «Isto é uma inovação do Flávio Furtado, extremamente criativa. Para mim, pensando no que significa o termo VIP, não chamaria estas pessoas ‘very importante people’, porque são iguais aos outros. Mas acho bom trazê-los a um ambiente diferente. Nem melhor, nem pior, diferente. É bom que convivam com a sabedoria do povo.»

O gosto pelas festas populares tem também Vítor de Sousa: «Estas festas são uma tradição que vivo desde miúdo. Quando vivi alguns anos na Costa da Caparica deixei de participar, mas desde que vim viver para Campolide, voltei a festejá-las. Adoro as farturas, as sardinhas, e poder comer com as mãos, ficar todo lambuzado e engordar dois quilos», graceja o actor. «A JFC, impulsionada pelo meu amigo André Couto, ficou a ganhar com este arraial, e todos os comerciantes também», acrescenta, assinalando o único aspecto que, em sua opinião, seria dispensável: «Com o devido respeito ao trabalho do Flávio, não gosto de ver uma passadeira vermelha em cima da relva. Isto é popular, não é para as revistas cor-de-rosa, onde eu também acabo por aparecer, por inerência ao meu trabalho. Mas, se isto não é para o povo, então onde está o povo?»

O dinamizador desta iniciativa, Flávio Furtado, explica-nos a sua ideia de um Arraial VIP: «Há muitas caras conhecidas do grande público que vivem em Campolide. A minha ideia não foi mais do que escolher uma noite em que todos pudessem conviver como Vizinhos e Vizinhas.» E Flávio não poderia estar mais contente. «Estou a achar uma maravilha. Fui adoptado por Campolide há três anos, e desde então venho cá sempre. A mudança deste ano para a Quinta do Zé Pinto foi fantástica. Parece que estamos num arraial no meio do campo.»

História de amor no nosso Arraial

Quem, na noite de ontem, seria digno de passadeira vermelha era o casal Ilda Freitas e Vítor Delgado, uma bonita história de amor que pelo nosso arraial encontrámos. Há 33 anos casados pelo registo civil, ontem celebraram os votos religiosos.

«O meu marido não era sequer baptizado. Então, hoje fomos casar!», conta alegremente Ilda. E continua o companheiro: «Casámos com disparidade de culto, e logo depois do casamento fui baptizado, fiz a primeira comunhão e o crisma. Tudo hoje!». Residentes em Massamá, quando, por coincidência, passaram pela Quinta do Zé Pinto, decidiram parar e celebrar a boda no nosso arraial.

E quem, desde o palco, animou a noite foram os artistas Toy Cascão e Ruizinho de Penacova. Toy entrou primeiro, aquecendo o espectáculo com muita brincadeira, à maneira desta enterteiner! Depois chegou, também brincalhão, Ruizinho, o discípulo mais fiel de Quim Barreiros, que por este artista nutre uma verdadeira devoção, sendo até seu “afilhado musical”.

Trazendo consigo os sons e tradições do Alto Minho, Ruizinho de Penacova pôs toda a gente a dançar e a rir, com as suas histórias de boa malandrice e empatia com o público. «Eu não sou bem a pessoa certa para actuar num pavilhão», dizia-nos, após o espectáculo. «Venho do povo da aldeia, e já toquei por esse mundo fora. Onde há comunidades portuguesas, nós lá estaremos. Só me falta ir ao continente asiático.»

Com uma carreira já longa, Ruizinho de Penacova mostra-se satisfeito com a aceitação da sua música num arraial popular da capital:

«Não é fácil a vida de estrada, mas eu gosto. Há coisa de 15 ou 20 anos, vinha cá a Lisboa e não me aceitavam bem porque não tinham as nossas tradições. Mas com as televisões e a comunicação social, a nossa música já chegou cá e hoje todos entram na borga!», conta-nos Ruizinho de Penacova, que nunca deixa de fazer a sua mais importante reverência: «Aquilo que viram aqui hoje, não foi um artista, foi um herdeiro. Vou daqui muito contente. Agradeço muito esta oportunidade. O Quim Barreiros ainda hoje é a minha grande admiração. O Ruizinho de Penacova tem um respeito enorme pelo Quim Barreiros e nunca vai conseguir pagar a amizade. Sei que temos muitas estrelas famosas pelo mundo, como o Cristiano Ronaldo, mas, para mim, é o Quim Barreiros. E se estou aqui é por ele. Gostei muito de aqui estar hoje, é mais um carimbo que vou meter quando chegar a casa.»

E, para despedida, deixou-nos «uma quadrinha para escrever: “Campolide terra de encanto/ Santo António no coração/ Para todos em Campolide/ Canto para manter a tradição.”» Foi sem dúvida uma noite de grande alegria e grandes emoções, que terminou com o espectáculo de Toy Cascão, que, depois de Ruizinho, voltou a subir ao palco para fazer a festa madrugada fora. Obrigado a todos e a todas.

Hoje mais uma noite de arraial nos espera, comandada pela música de Hélder Nunes, a partir das 22h.

 

O portal da JFC utiliza cookies de rastreamento anónimo para melhorar a interacção com o Utilizador. Ao continuar a navegação, está a concordar com o uso de cookies.