TERMINADOS OS TEMPOS DE PANDEMIA, A EDUCAÇÃO FOI UM DOS
SETORES MAIS AFETADOS. ESTE ANO LETIVO, NOVOS ALUNOS INTEGRARAM
A ESCOLA BÁSICA MESTRE QUERUBIM LAPA, ACENTUANDO A DIVERSIDADE
CULTURAL JÁ EXISTENTE. “IGUALDADE DE EDUCAÇÃO” É UM DOS
PRIMEIROS PONTOS DA AGENDA DA JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPOLIDE
(JFC), QUE TEM VINDO A APROFUNDAR E A INOVAR O TRABALHO FEITO AO
LONGO DOS ÚLTIMOS ANOS JUNTO DAS DUAS ESCOLAS DA FREGUESIA.

Fotos: Mariana Branco | Texto: Diana Correia Cardoso

O percurso de Bruno Corgas Gonzalez, atual responsável pelo pelouro de Educação, na Escola Básica Mestre Querubim Lapa iniciou-se há 11 anos. A sua principal função era coordenar as Atividades de Enriquecimento Curricular (AECS) e a Componente de Apoio à Família (CAF). Ao integrar o Executivo anterior, mantendo essas funções, afirma que conseguiu “estar na prática e no plano de execução”, incrementando “melhorias a nível da educação”. “Estando presente na escola consegui identificar muito mais as necessidades que existem”, explica Bruno Gonzalez. “A JFC sempre foi presente na Escola Mestre Querubim Lapa, por ser uma escola de 1º ciclo, através das AECS e CAF”, conclui. Carolina Belo Gomes é atualmente a Coordenadora da Educação da Junta de Freguesia de Campolide, mantendo essa presença viva. As atividades das AECS, CAF e Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF), são conduzidas por si e pela sua equipa, ao todo cerca de 15 colaboradores. A articulação entre a Junta de Freguesia e a escola permite “promover a educação positiva e benéfica”, apoiando “os pais que não conseguem vir buscar as crianças quando termina o horário escolar”, disse a coordenadora ao Notícias de Campolide.

MELHORIA DO ESPAÇO ESCOLAR

Num só espaço, os mais novos têm acesso a diversos tipos de atividades, tendo autonomia por exemplo, para poder decidir o que querem semear na horta pedagógica e o que querem desenvolver na disciplina de expressões. O tempo é igualmente ocupado com atividades musicais, expressão dramática, trabalhos manuais, ginástica e inglês. Carolina Belo Gomes lembra que o objetivo é apostar no “desenvolvimento total das crianças, na sua aprendizagem e apoiá-las a nível emocional”. Este ano letivo, o número de inscrições aumentou, o que se poderá dever ao maior número de alunos a frequentar a escola e à confiança dos encarregados de educação no trabalho desenvolvido com os seus educandos. A missão da Coordenadora da Educação é desenvolvida em conjunto com a Coordenadora da Escola, a professora Teresa André. “Percebemos o que está bem e o que podemos melhorar diariamente. Vamos dando uns alertas e falando quais são as necessidades da escola e a Junta, à medida que tem possibilidade, vai dando resposta”, explica a professora.

Tendo em conta que havia muita interação do exterior da escola para dentro do recreio, pensando na segurança e privacidade dos alunos, foi colocada uma rede lateral pela JFC, a pedido da diretora. Futuramente serão dispostos bancos e mesas, tanto na Escola Mestre Querubim Lapa como na Escola Marquesa de Alorna, o outro estabelecimento de ensino público localizado na Freguesia de Campolide. Este último pedido resultou da Assembleia Municipal da Criança. Também no início do ano letivo, o transporte escolar na Escola Mestre Querubim Lapa foi garantido em colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa. Anualmente, é distribuído material escolar a todos os alunos que frequentam o
ensino básico e as viagens de finalistas têm sempre o apoio da Junta.

Em articulação com o departamento de Inovação e alguns parceiros, o núcleo da Educação da JFC tem feito algumas intervenções na melhoria da estrutura verde das suas escolas públicas. No estabelecimento de ensino de 1º ciclo procedeu-se à plantação de quatro floreiras com plantas trepadeiras para cobertura do gradeamento.

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E TECNOLOGIA

Neste âmbito, os alunos da Escola Mestre Querubim Lapa irão também desenvolver a horta pedagógica presente na escola e participarão no projeto Agrofloresta da Bela Flor. Haverá uma dinamização das aulas, com idas ao espaço de cocriação comunitária, baseado nos princípios da agricultura sintrópica,
regeneração e sustentabilidade.

A Escola Virtual é um dos próximos projetos a abraçar pelo Executivo. “Todas as salas de aula de primeiro ciclo estão equipadas com vídeo-projetores e mais tarde, tanto os alunos, como os pais e professores terão acesso ao conteúdo educativo da Escola Virtual”, refere Bruno Gonzalez. “Cada vez mais caminhamos para que a educação se torne mais tecnológica. A Escola Virtual motiva as crianças na aprendizagem e reduz o desperdício de folhas e livros que na sua maioria, final do ano, não são reaproveitados. Nós acreditamos que o Ministério da Educação irá levar esta ferramenta a todas as escolas, mas queremos ser pioneiros”, conclui. A disponibilização de um centro de estudos na Junta de Freguesia, para os alunos dos primeiros anos do ensino básico é outro dos planos futuros.

Na Escola EB 2,3 Marquesa de Alorna, a presença da JFC tem vindo a intensificar-se. No ano passado foi colocada uma baliza no espaço escolar e foram distribuídas tintas para pintar os campos desportivos.

REFEIÇÕES INCLUSIVAS E SAUDÁVEIS

Desde 2017, a Junta de Freguesia de Campolide assumiu a responsabilidade pela cantina da Escola Básica Mestre Querubim Lapa e pela elaboração das refeições diárias das crianças. Filipa Alegre é a responsável pelo Refeitório utilizado por 302 alunos, incluindo os de Jardim de Infância. Ao passar a acompanhar os almoços dos alunos, pôde conhecer melhor a realidade de cada, constatando que mesmo sendo essa a única refeição do dia para alguns, “se não gostarem, preferem não comer”.

Para além dos pratos servidos não serem saborosos e apelativos o suficiente, na perspetiva das crianças, era igualmente necessário arranjar uma estratégia de inclusão das várias culturas gastronómicas. Numa só turma existem 15 nacionalidades. Há quem seja oriundo do Paquistão, Brasil, Ucrânia, Iraque, Rússia, entre outros. Em colaboração com uma nutricionista, Filipa elabora as ementas considerando essas variáveis, tentando introduzir alimentos mais saudáveis e variados. Este processo é feito gradualmente. São adicionados aos pratos já habituais, a que as crianças estão acostumadas, novos alimentos em pequenas porções para habituar o paladar.

Da nova ementa consta strogonoff com esparguete integral, um dos pratos que teve grande aceitação. “A base será sempre mediterrânica, mas o objetivo é ter maior variedade e que os alunos consigam experimentar novos sabores e alimentos mais nutritivos. Há crianças de outras culturas que preferem o prato vegetariano alternativo, com uma grande base proteica de seitan, tofu e leguminosas”, explica Filipa. Por outro lado, é feito um trabalho de consciencialização contra o desperdício. “Vejo muitas crianças que rejeitam a fruta quando não está perfeitinha. Não têm uma visão de aproveitamento dos alimentos como as gerações mais antigas. Agora temos uma geração em que tudo é descartável e nada se aproveita”, relatou a responsável, que também coordena o projeto Food Wave.