ENSINAR SEM FRONTEIRAS

A escassos meses da reforma, o dever chamou mais alto e não pensou duas vezes em continuar a dar aulas aos mais pequenos até ao ano letivo terminar. Durante 11 anos coordenou e lecionou na Escola Mestre Querubim Lapa. Da sua experiência profissional fora do país, trouxe ideias inovadoras que implementou nas escolas da Freguesia.

Fotos: Mariana Branco | Texto: Diana Correia Cardoso

Toda a sua vida foi professora de primeiro ciclo. Na escola primária, a sua professora depositou-lhe confiança para ensinar os colegas na leitura ou nas tabuadas. “Como eu gostava da escola e tinha facilidade de aprendizagem, ela ocupava-se de uns e eu ocupava-me de outros. Comecei a desempenhar a profissão mesmo desde a infância”, confessou Maria Jorge.
Com 43 anos de ensino primário, tem a certeza que foi a decisão acertada. Sempre se sentiu realizada a dar aulas a crianças do primeiro ciclo entre os 6 e os 10 anos de idade. “Gosto de vê-los crescer e progredir, é como se víssemos uma plantinha a crescer”.

LEVAR O ENSINO MAIS LONGE

Na sua vida como professora passou por diversas escolas em Montemor-o-Velho, Góis, Odivelas, Lisboa e até Luxemburgo. Com formação nas áreas de primeiro ciclo, sociologia e ciências da educação garante que “nenhum curso que eu pudesse tirar iria dar me melhor formação do que aquela que tive na Escola Europeia de Luxemburgo”.
Anteriormente, desenvolveu um projeto de investigação-ação na Escola Luxemburguesa, que teve como objetivo auxiliar os filhos dos emigrantes portugueses a compreender melhor os conteúdos e obterem sucesso escolar. Acabou por lecionar durante nove anos na Escola Europeia de Luxemburgo exercendo o cargo diretora do ciclo pré-escolar e primeiro ciclo da escola.
Perante as diferentes formas e metodologias de ensino de diversos países da União Europeia com as quais conviveu, chegou à conclusão de que “somos mais parecidos do que pensamos”. Mas existem diferenças. Os países do Sul ainda têm uma postura muito clássica, os alunos são menos autónomos. Os restantes países têm uma atitude diferente. O ensino em Portugal tem vindo a contrariar essa postura, “temos professores magníficos e pessoas que trabalham de forma a motivar os alunos e a levá-los a participar”.

A MISSÃO DO PROFESSOR

No Agrupamento de Escolas Marquesa de Alornahouve uma mudança muito positiva, o trabalho colaborativo está super desenvolvido”, em parte resultado das mudanças levadas a cabo durante 11 anos por Maria Jorge enquanto Coordenadora da Escola Mestre Querubim Lapa e coordenadora de departamento de todos os professores de primeiro ciclo de todas as escolas do agrupamento. Recentemente assumiu a Coordenação da Escola Básica de S. Sebastião da Pedreira, onde terminará a sua carreira de professora.
Como reflexão de fim de carreira, a docente expressou que ser professor “não é uma profissão, é mesmo uma missão. Não temos apenas uma função técnica, apesar de sermos cada vez mais substituídos pelas novas tecnologias. O que é realmente importante é que é na relação com o outro que a criança aprende. E o professor é essencial. O seu trabalho não é só ensinar, mas sim formar indivíduos felizes e capazes em conjunto com os pais e a sociedade”.